sexta-feira, 29 de março de 2013

PAGANDO A PENA POR NÓS





Sua vida foi muito perseguida
Desde o seu nascimento até a morte
Poderosos invejavam sua sorte
Por querer se meter na sua vida
Esperavam a chegada e a saída
Seu discurso e o ato de curar
Nem ligavam seu jeito de ensinar
Só um grupo cem por cento
Pecador reconheça o sofrimento
Que Jesus enfrentou pra nos salvar


Nos relatos evangélicos  estão escritos
Sua entrada lá em Jerusalém
Uns gritavam é o cristo de Belém
Com os ramos erguidos ao som dos gritos
É a paz dando um basta nos atritos
Dessa gente que tenta acompanhar
Dando viva e pedindo pra parar
Jesus Cristo montado num jumento
Pecador reconheça o sofrimento




Um momento marcante na história
Santa ceia Jesus instituiu
Houve um grupo pequeno que seguiu
Inserido na sua trajetória
Era tudo guardado na memória
Pois não tinha aonde registrar
Quando os pés dos discípulos foi lavar
Demonstrando humildade no momento
Pecador reconheça o sofrimento
Que Jesus enfrentou pra nos salvar

Entre os grandes mistérios do amor
Na história de cristo é a paixão
Sua morte e também ressurreição
Cada espinho cravado era uma dor
Cruz  as costas pra longe transportou
Na certeza  que iam lhe matar
E depois ia se ressuscitar
Com três dias do seu sepultamento
Pecador reconheça o sofrimento
Que Jesus enfrentou pra nos salvar.




segunda-feira, 25 de março de 2013

OS MEUS PRIMEIROS SAPATOS


Cuma  toda jovem tem
Um sonho a realizá
Eu tinha muita vontade
De um sapato cauçá
Mas tombém nunca pedia
Mode minha mãe comprá

As moças da minha idade
Tinha sapato e chinela
Eu via  e achava bonito
Oiava tanto pra ela
Qui as vez eu tinha vontade
De sê fia da mãe  dela

Minha mãe tinha vontade
De comprá mas num pudia
Meu pai pudia e num dava
Por isso ninguém pidia
Ficava só na vontade
A fia de Abdia

Parece qui cone a gente
Tem vontade um dia aicança
Num é qui uma prima minha


Luxenta desde criança
Abadonou  uns sapato
Qui  eu guardei na lembrança
Num dixe pra seu ninguém
Mas pru arte do distino
Um dia mãe cunversano
Cum ela e eu uvino
Abadonou uns sapato
Qui num tava mais sirvino

Mãe preguntou e o preço
Dixe ela mil e quiento
Só tem dois ano de uso
De marrom ficou cinzento
Pruquê istava dibaxo
De um saco de cimento

Minha mãe vendeu um bode
E tombem umas galinha
Duas nuvia de cabra
E uns trocadu qui tinha
Deu tudo nesse sapatu
Para   alegria minha

Era todu de burraxa
Bico chatu isburacadu
Num tinha mais sua caxa
Era num sacu guardado
Pois fiquie munto filiz
Cum o premo desejado

A alegria foi tanta
Qui cumer ee nun quiria
Passei a noite acordada
Pois drumi num consiguia
E pra cauçar us sapatus
Estava aguardando o dia

Foi numa missa im Jondia
Qui eles inaugurei
Mermo isquentano nus pés
Cum munto prazê fiquei
Oiava tanto pra eles
Qui a missa nem liguei

Cumo era fora demoda
Chamava munto atenção
O meu jeito de andar
Mudou toda posição
Mermo sem ter sarto dava
Foi num foi um trupicão

Aquelas moça da moda
Deu cumeçaro mangá
Fiquei munto imcabulada
Num canto fui me sentá
E us meus pés inxou tanto
Qui quage num pude andá

Levantei pra ir embora
Butei todus dois na mão
Im cada pé fez três calos
Foi grande a inflamação
Levano  só e poeira
Do Jondia pru Latão

Num dixe nada a ninguém
O qui cumigo passava
Fui tratá dus ferimentos
Qui pouco a pouco sarava
E pra cauçar us sapatos
Novamente eu esperava

Logo mais aconteceu
Minha colação de grau
Ao terminá o primaro
Houve uma festa legau
Ai dinovo uzei eles
Pra curti o festivau

Já tinha vinte um ano
Cone isso aconteceu
Pra terminá o primaro
Foi grande o esforço meu
Junto cum minhas irmãs
Qui istudava mais eu

Cone fuio dançá a varça
O passo num acertava
Us pés do meu paraninfo
De quando im vez maxucava
Toda angusta sentia
E a varça num terminava
Antes de findar a varça
Ouve bala no salão
Ocorre corre foi grande
Naquela ocasião
Ai perdi meus sapatus
E vortei de pé no xão

Realizei o meu sonho
Mas devido a esta cena

sexta-feira, 22 de março de 2013

O QUE SONHEI SEM DORMIR





       



                                   Eu sonhei ser poetisa
                                   Com vinte anos de idade
                                   Porque disse essa verdade
                                   Levei uma grande pisa
                                   Rasgou-se minha camisa
                                   Nem a canção quis ouvir                
                                   Optei por desistir
                                   Daquilo que eu mais queria
                                   Depois chegou em um dia
                                   O QUE SONHEI SEM DORMIR      
   
                                   Ser motorista eu queria      
                                   Num jipe fui aprender
                                   Comecei logo a tremer
                                    As marchas eu não entendia
                                   Ligava mais não sabia
                                   Quando o carro ia sair
                                    Nunca aprendi reduzir
                                    Se precisasse frear
                                    Eu fazia acelerar
                                    O QUE EU SONHEI SEM DORMIR
                                 
                                    O sonho de ser atriz
                                    Espero ser revelado
                                    Com calma tenho esperado
                                    O treinamento já fiz      
                                     Para poder garantir
                                    Qualquer hora exibir
                                     Minha bagagem guardada
                                     Espero bem preparada
                                     O QUE SONHEI SEM DORMIR    


























terça-feira, 19 de março de 2013

Homenagem a São José




               José  filho de jacó
              Era esposo de Maria
             A mãe de nosso senhor
             Naquele tempo vivia
            Prometida em casamento
            Somente aguardando o dia

            Antes de viverem juntos
            Maria engravidou
            Ação do Espírito Santo
            José desconfiou
            Pesando em abandoná-la
            Mas quando dormiu sonhou
             
           Um anjo dizendo assim
           Não tenhas medo José
           Sua esposa vai ser mãe
           Fortaleça sua fé
           Pois ela vai  dar a luz
           A  Jesus de Nazaré
         
         O padroeiro da igreja
          Que advoga os cristãos
           Modelo dos operários
          E defensor dos irmãos
          Que tem a paz estampada
           Nas palmas  de suas mãos

            José era homem justo
            Com Deus se comunicava
             Somente através de sonhos
             Depois que acordava
             Botava tudo na prática
             O sonho que ele sonhava
           
            O agricultor  nordestino
           Nele deposita fé
           Confia que vai chover
            Planta no seco e até
            Espera vir o inverno
            No dia de São José.


 
         








quinta-feira, 7 de março de 2013

ELOGIANDO A MULHER




Mulher ser abençoado
Desde a sua criação  
Foi uma parte extraída
Bem próximo ao coração
Do homem e foi modelada
Com a maior perfeição

Surpresa incomparável
Quando Adão acordou
Fitou os olhos em Eva
O seu semblante mudou
Isto é sonho ou é verdade?
Com muita força gritou

Eva sorria lhe olhando
Naquele momento Deus
Disse é sua companheira
Mas ouça os pedidos meus
Faça logo os gostos dela
Pra depois fazer os teus

No inicio foi perfeita
A vida desse casal
Mas Satanás com inveja
Preparou um grande mal
Que atingiu e atinge
Todo povo universal

Mesmo Deus sendo ofendido
Continuou protegendo
Mulheres discriminadas
Ele estava defendendo
Os atos de violências
Sempre sempre combatendo

Pra mostrar e comprovar
Que a mulher tem valor
Escolheu uma mocinha
No seu ventre se encarnou
Nasceu e mostrou ao mundo
Esse processo de amor

Conviveu com as Marias
Uma delas Madalena
Cresceu suas descendências
De branca loira e morena
São vários nomes inventados
Um deles foi de Helena

Mulher seja obediente
A Deus e a natureza
Seja feliz e honesta
Não dê chance a safadeza
Ame a Jesus e ao próximo
E tenha o céu por certeza.