terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

CARNAVAL TRADIÇÃO POPULAR.

Carnaval é o entrudo
Que antes acontecia
De origem portuguesa
O povo se reunia
Jogando água e farinha
Até ovos de galinha
Se jogava na folia

O povo se libertava
Do trabalho pra brincar
Aproximado a quaresma
Botavam pra arregaçar
Depois da festa mundana
Era mais duma semana
Para ressaca curar

Foi no século dezessete
Que o Brasil recebeu
Entrudos carnavalescos
Criado por europeu
Trazidos por Português
Rio de Janeiro fez
Um berço e ofereceu

Entrudo era bonecos
De tamanho agigantado
Feito de pano e madeira
Pelo um grupo controlado
Pelas ruas desfilando
E muita gente animando
Música samba e rebolado

O carnaval foi crescendo
E se tornou tradição
A festa mais animada
Que tem pra população
Trabalham o ano inteiro
E gastam todo dinheiro
Lucrando satisfação

Hoje o melhor carnaval
É no Rio de Janeiro
A nível nacional
Ele é o pioneiro
Salvador tá na disputa
Faz muito tempo que luta
Pra ter o lugar primeiro

No tempo colonial
Entrudo era folia
No império foram blocos
Zé Pereira da Bahia
O carnaval hoje arrasa
O povo só vai pra casa
Quando seca a bateria




segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

MOTE: O BARULHO DA CHUVA TONIFICA A ESPERANÇA DO POVO NORDESTINO

O nordeste fazia cinco anos
Que o elnino não deixava chover
O pacífico parou para obedecer
O poderoso que manda em oceanos
A quintura das águas causa danos
E do vento ele muda seu destino
As consequências causadas por elnino
A humanidade é quem se prejudica
O barulho da chuva tonifica
A esperança do povo nordestino

Ano em curso dois mil e dezessete
A população atrelada ao desespero
Era noite do dez de fevereiro
Manto escuro cobriu a amplidão
Com relâmpago seguido de trovão
E os anjos dos céus cantado hino
Arquitetados na arte do divino
A mão santa do céu ligou a bica
O barulho da chuva tonifica
A esperança do povo nordestino

A floresta trocou a cor da roupa
De cinzenta mudou para verde escuro
Sertanejo aposta no futuro
Semeando semente misturada
Atolado na terra bem molhada
Competindo espaço com menino
O cabelo de duro ficou fino
Dispensando a escova que estica
O barulho da chuva tonifica
A esperança do povo nordestino

As crianças corriam para saber
O que é que está acontecendo
Muita água do céu tá escorrendo
Se deitavam rolando pelo chão
Muito barro amassado com a mão
Muita gente louvava o som do hino
Carro pipa tomou outro destino
Temos água ecorrrendo numa bica
O barulho da chuva tonifica
 A esperança do povo nordestino

AUTORA: HELENA BEZERRA